sábado, 16 de março de 2013

Boca



Boca carnuda avispada formato em bico de peixe
Ai tecido perfeito,  ai passarelas desmanteladas
Como fiz dela  desa.ssossego em becos, veredas
Aut' estradas boc' em matas já de fel da  praxe

Qual corrida ciosa que se ensaiou naquele beijo são
Línguas na batalha,  or'em linha reta, afoitas cercadas
Ora em circundas, ora em ziguezagues, e já corcundas
Oh das estrelas, boca minha, oh já noutra dimensão

Jamais adiante delirante, já noutras artimanhas
Do rés-do-chão ao céu-da-boca, não é coisa pouca
Virgem oca, mia selvagem  na parida, tais façanhas

Ah bendita sej'aboca protagonista, terapia aqui cena
Boca de mel, já meu fel e só mais uma vez laroca
Estrada louca,  não mais vez aqui n’ eterna pena.

Maria Luzia Fronteira
Funchal, 16 de março de 2013